Aneurisma da aorta abdominal: a doença que matou um dos maiores gênios da humanidade.

Tempo de leitura: 10 minutos

aneurismaDuas histórias reais sobre aneurisma da aorta abdominal…

O sr. X, um ilústre cavalheiro de 70 anos, me procurou no consultório com uma queixa de sensação peso e cansaço de nas pernas acompanhados de inchaço no fim do dia. Durante a consulta, descobri que era fumante há muitos anos. Ao examinar as pernas do sr. X, era nítido que ele apresentava varizes, e que a causa do inchaço e do peso que sentia nas pernas eram decorrentes das tais varizes. Entretanto, ao examinar o abdome do sr. X, senti um abaulamento que pulsava em sincronia com as batidas do coração. Perguntei então se o sr. X sentia dores ou tinha algum outro sintoma abdominal, e a resposta foi um categórico “não”. Pedi então uma tomografia do abdome do sr. X e o laudo descrevia: “Dilatação da aorta abdominal…com 6,0cm de diâmetro”. Ou seja, um aneurisma da aorta abdominal.

O sr. X foi então devidamente preparado e submetido a uma cirurgia endovascular para a correção do aneurisma da aorta. Hoje o sr. X está com 76 anos de idade, deixou de fumar e tem uma vida absolutamente normal, tendo as limitações próprias da idade.

O segundo paciente, não tão fortuíto quanto o sr. X. Diferentemente do sr. X foi atendido em um hospital dos Estados Unidos por apresentar dores intensas no abdome e costas, acompanhadas de uma queda acentuada na pressão arterial. Este segundo paciente não foi submetido a nenhum exame de imagem (tomografia ou tampouco uma ultrassonografia do abdome), recusou-se a ser operado e morreu no dia seguinte à sua internação por uma hemorragia interna. Na autópsia deste paciente, foi constatado que a morte foi causada por um rompimento de um aneurisma da aorta abdominal.

Qual a diferença entre o sr. X e o segundo paciente?

Bem, ambos apresentavam um aneurisma da aorta abdominal, o sr. X teve o diagnóstico realizado, apesar de não ter apresentado nenhum sintoma, foi devidamente preparado e tratado, e o outro, morreu por causa da hemorragia provocada pela ruptura do seu aneurisma da aorta abdominal.

aneurisma. aorta
Albert Einstein e aneurisma da aorta

Mais uma diferença: o sr. X é um ilústre desconhecido, já o outro… seu nome seguramente lhe é familiar: Albert Einstein. Exatamente um dos maiores cientistas de todos os tempos morreu por uma hemorragia provocada por um aneurisma da aorta abdominal.

Logicamente são épocas muito diferentes, pois o sr. X foi tratado na década de 2010 e a rotura do aneurisma de Albert Einstein ocorreu em 1955, onde não existia exame de imagem e não estavam disponíveis as modernas técnicas de cirurgia que temos hoje. Porém, os casos são bastante ilustrativos quanto à diferença de evolução entre um diagnóstico precoce e tratamento, e o que ocorre frequentemente quando os aneurismas da aorta abdominal são deixados à própria sorte.

Está gostando deste artigo?

Cadastre-se e seja informado de novos artigos memoráveis como este.

privacy Nunca enviamos spam!

Assim, o que são aneurismas?

aneurisma
Aneurisma na aorta

Aneurismas são dilatações dos vasos sangüíneos que ocorrem por enfraquecimento da estrutura destes vasos.

Comumente estas dilatações ocorrem nas artérias, podendo aparecer em qualquer local do corpo, porém a localização mais frequente nos vasos periféricos (excluindo-se o aneurisma cerebral) é a aorta abdominal. A aorta é a maior artéria do organismo, começa no coração e distribui sangue para todos os órgãos e tecidos do corpo humano. Uma artéria extremamente importante para todo o organismo.

Considera-se que uma artéria é aneurismática, quando seu diâmetro é 50% maior que o diâmetro normal desta artéria. Na aorta abdominal, esse valor é de aproximadamente 3cm, podendo variar de pessoa para pessoa, e também entre os gêneros masculino e feminino. Em geral, a aorta da mulher tem um tamanho menor que a aorta do homem.

Por que aparecem os aneurismas?

Sabemos que os aneurismas ocorrem por um enfraquecimento na parede das artérias decorrente da degeneração desta artéria, mas o mecanismo exato de como isto ocorre ainda é desconhecido, mesmo com toda tecnologia que dispomos hoje em dia. Entretanto, conhecemos fatores que estão intimamente relacionados ao desenvolvimento dos aneurismas, e esses fatores, se presentes, favorecem a uma maior predisposição à formação destes aneurismas, principalmente na aorta.

Fatores de risco para o aneurisma da aorta abdominal

  • Tabagismo
  • Idade maior que 65 anos
  • Doença cardíaca (angina, infarto)
  • Sexo masculino
  • Obesidade
  • Hipertensão arterial (pressão alta)
  • Colesterol elevado
  • Sedentarismo

tabagismo

Tabagismo, é de longe o fator mais importante para o desenvolvimento do aneurisma da aorta abdominal, e o risco aumenta diretamente com o número de cigarros consumidos por dia e o total de anos fumando.

Além dos fatores acima, existe uma predisposição familiar, onde pessoas com familiares de primeiro grau que apresentaram aneurisma da aorta têm oito vezes mais chance de terem um aneurisma na aorta do que pessoas sem história familiar. Portanto, parentesco próximo já é um aviso às pessoas para que façam uma avaliação preventiva (mais detalhes abaixo).

Pressão alta, colesterol elevado, sexo masculino, idade (em geral acomete pessoas com mais de 65 anos), sedentarismo e obesidade são fatores de risco para o desenvolvimento de aneurismas arteriais, principalmente da aorta abdominal. Portanto, pessoas que se enquadram nessas condições devem ficar atentas.

O perigo dos aneurismas da aorta…

O maior risco em ser portador de um aneurisma da aorta abdominal, é que os aneurismas podem romper e provocar uma hemorragia interna, como a que ocorreu com Albert Einstein, e que é fatal em 80% dos casos, ou seja, 8 em 10 pessoas que apresentam um aneurisma roto na aorta morrem antes de chegarem ao hospital ou não resistem à cirurgia. E o caso do nosso personagem é bastante ilustrativo…

ultrassom aorta
Ultrassom da aorta abdominal

Como saber se alguém tem um aneurisma na aorta?

“…5 a 10% dos homens entre 65 e 79 anos têm um aneurisma na aorta…programas de triagem visam reduzir a mortalidade…”

A grande maioria dos aneurismas da aorta abdominal não dá sintomas! Ou seja, a pessoa é portadora da doença e muitas vezes nem desconfia da sua presença.

A descoberta de um grande número de aneurismas na aorta abdominal é feita acidentalmente, como o que ocorreu com a primeira história descrita acima, onde uma avaliação e exame físico bem feitos levantaram a suspeita que pode levar ao diagnóstico, ou porque muitas pessoas são submetidas a exames de imagem abdominais, como ultrassonografia, tomografias ou ressonância magnética, para avaliação de problemas comuns como cálculos renais, cálculos na vesícula, ou um check-up de rotina e o aneurisma acaba sendo encontrado.

Atualmente existem programas de triagem para tentar identificar a presença de aneurisma na aorta abdominal em pessoas sem sintomas. Os maiores candidatos a este programa são os fumantes, ou ex-fumantes, principalmente homens, se acima dos 65 anos de idade, hipertensos, aqueles com doença cardiológica e com  um ou mais fatores de risco mencionados. Esta população deve ficar atenta e conversar com seu médico sobre a pesquisa do aneurismas na aorta.

Atualmente, um exame não invasivo, indolor, e simples de ser realizado, pode facilmente identificar um aneurisma da aorta abdominal. Este exame é o ultrassom de abdome.

Encontrado um aneurisma na aorta, o que deve ser feito?

aorta
Rotura de aneurisma

A rotura dos aneurismas é proporcional ao seu tamanho, e sabemos que aneurismas da aorta abdominal entre 5 e 5,5cm de diâmetro, dependendo biotipo e gênero do paciente, devem ser tratados. Acima deste tamanho o risco de rotura dos aneurismas aumenta muito. Abaixo destes valores, na maioria dos pacientes, deve-se fazer uma vigilância clínica e com exames de imagem para se acompanhar o comportamento do aneurisma; se crescerem, o tratamento cirúrgico deve ser indicado.

Como tratar os aneurismas da aorta abdominal?

Se o aneurisma atingir entre 5 e 5,5cm diâmetro, não há discussão, o tratamento é: cirurgia!

Cirurgia convencional
Cirurgia convencional

O tratamento mais tradicional consiste na substituição do aneurisma por uma prótese, em geral de material sintético (pode ser biológica também, como por exemplo de pericárdio bovino). Isso é feito por uma laparotomia, ou seja, abertura do abdome e do aneurisma com fixação da prótese por suturas (pontos). Essa modalidade de tratamento geralmente requer um tempo de recuperação prolongado devido ao grande porte da cirurgia. Entretanto é um método consagrado e é realizado há mais 50 anos.

Tratamento endovascular
Tratamento endovascular

Mais recentemente, uma nova a técnica de cirurgia se popularizou entre médicos e pacientes por ser menos invasiva e proporcionar um tempo de recuperação bem menor, já que não são necessárias grandes incisões. Esse método é conhecido como tratamento endovascular. Não é necessária a abertura do abdome, e a cirurgia é feita através de pequenos cortes nas virilhas para permitir a colocação de uma prótese por dentro do vaso, realizada por cateterismo. Essa endoprótese (pois é colocada por dentro da artéria) reveste a aorta internamente e reforça a dilatação da artéria, evitando que ocorra a hemorragia decorrente da rotura.

Essas opções de tratamento devem ser indicadas pelos especialistas, pois apesar de menos invasivo, o tratamento endovascular nem sempre é possível e depende muito de condições anatômicas do aneurisma e das artérias dos pacientes.

Considerações finais…

Lembre-se de ter uma vida equilibrada, sem excessos alimentares, sem tabaco, pratique exercícios sempre que possível (…o tempo nós é que fazemos) e se você já tem 65 anos de idade ou mais, cogite com seu médico a possibilidade de fazer um ultrassom de abdome para triagem de um aneurisma na aorta.

E, boa sorte.

 

Abaixo, estão links com informações importantes sobre a doença.

https://vascular.org/patient-resources/vascular-conditions/abdominal-aortic-aneurysm

http://www.cochrane.org/CD002945/PVD_screening-for-abdominal-aortic-aneurysm

http://www.nhs.uk/Conditions/repairofabdominalaneurysm/Pages/Introduction.aspx