Qual seria sua reação (ou qual foi?) caso um médico indicasse uma cirurgia de varizes para você?

Tempo de leitura: 14 minutos

Se algum médico indicou uma cirurgia de varizes para você, não se assuste, é muito mais simples do que você imagina!

O que eu vejo no dia a dia quando comunico um paciente que seu tratamento deve ser cirúrgico, muitas vezes a pessoa fica literalmente de cabelo em pé e vem uma avalanche de perguntas e lamentações.

Abaixo, enumero as dúvidas de muita gente (que pode ser a sua também!) e logo a seguir dou a justificativa para minha resposta.

Pergunta #1: Como é a cirurgia de varizes?

tratamento de varizes

Resposta: depende.

Varizes são tortuosidades e dilatações que ocorrem nas veias das pernas e coxas e que não desaparecem espontaneamente. Uma vez instaladas, somente uma intervenção pode solucionar o problema, e essa intervenção geralmente é a retirada da veia (alguns casos podem ser tratados por escleroterapia – popularmente conhecida como “secagem – e que é comentada em outro artigo do site). Mas enfim, cirurgia quase sempre significa remoção de uma ou mais veias. Essa remoção das veias, naturalmente é feitas através de pequenas incisões (cortes), que geralmente variam de 1 a 3mm de extensão, dependendo do diâmetro da veia. Portanto, veias menores podem ser retiradas por “mini” incisões, já veias maiores devem ser retiradas por incisões um pouco maiores. Por isso está indicado o tratamento o mais cedo possível. E essa retirada da veia é realizada tracionando-se a veia com uma agulha de crochê (você leu corretamente, agulha de crochê, a mesma que a vovó usa para fazer as toalhas da mesa da sala), obviamente devidamente preparada e esterilizada. Essa intervenção, chamamos de flebectomia (muitas vezes chamada erroneamente de “microcirurgia”), e quanto quanto maior a quantidade de veias, maior o número de incisões.

Entretanto, muitas vezes a cirurgia de varizes não é suficientemente satisfatória só com as flebectomias feitas com as agulhas de crochê. Existem situações onde é necessário tratar a uma veia de maior porte, de maior diâmetro e mais extensa, chamada veia safena. Nesta situação, onde há a necessidade de intervenção na veia safena, hoje em dia existem duas possibilidades (na verdade existem mais possibilidades, mas estas duas são as mais importantes e mais aceitas): uma cirurgia praticada para a retirada da veia safena – chamamos safenectomia (saiba mais sobre safenectomia)– e a outra a ablação térmica da safena (uma forma de cauterização física por calor da veia), que pode ser com laser ou radiofrequência.

Qual a diferença entre o método tradicional (safenectomia) e ablação térmica? A diferença é que a safenectomia só pode ser feita através de incisões relativamente grandes, se comparadas as incisões da flebectomia, incisões estas que necessitam de suturas (pontos) no fim da cirurgia. Além disso, a extração da safena invariavelmente é, de alguma forma, traumática para estruturas vizinhas à veia, o que pode refletir em sangramento e dor no pós-operatório, maiores que a ablação térmica. Já no tratamento por laser ou radiofrequência, chamados de tratamentos minimamente invasivos, não se retira a veia. Através de um cateter, para radiofrequência, ou de uma fibra óptica, para o laser, é liberada energia no interior da veia, que gera calor e altas temperaturas que causam a obliteração desta veia e perda de sua função, ou seja, apesar de ficar no seu lugar, a veia deixa de participar da circulação do sangue por estar obstruída. Essas modalidades de tratamento proporcionam uma cirurgia muito menos agressiva e consequentemente a recuperação pós-operatória mais rápida e menos dolorosa. Leia mais sobre laser e radiofrequência.

Portanto, se alguém perguntar, agora você já sabe como é a cirurgia de varizes.

Pergunta #2: Quanto tempo preciso ficar em repouso no pós-operatório?

rotina
Nada de repouso no pós-operatório

Resposta: nem um dia!

Certamente você também ficou espantado com a resposta, como muitos dos meus pacientes também ficam, pois existem algumas crenças que se perpetuam, como por exemplo, “a fulana que teve que ficar 1 mês em repouso…” e que podem ter sido verdade no passado, mas seguramente hoje em dia não são mais. Antigamente, digo há mais de trinta anos atrás, as incisões para a cirurgia eram muito maiores e assim a agressão cirúrgica também. Portanto, no passado recomendava-se repouso prolongado, até porque ficava muito dolorido. Com o refinamento da técnica cirúrgica e a modernização do tratamento, hoje é possível fazer uma cirurgia muito mais delicada e, em muitos casos, praticamente sem dor. Como você viu na descrição acima, muitas vezes incisões de apenas 1mm podem ser suficientes para uma boa cirurgia. Além disso, não faz diferença alguma na vida futura de quem foi submetido a uma cirurgia de varizes, fazer mais ou menos repouso, as veias não “voltam” por causa disso.

O repouso é determinado pelo próprio indivíduo que foi operado. Caso esteja se sentindo-se bem, vá em frente…no dia seguinte pode voltar a fazer aquilo que estiver confortável: andar, sair, caminhar, dirigir, subir escadas…

Resumindo, quanto maior o número de veias, quanto maiores as veias e dependendo da cirurgia, se contempla o tratamento da safena ou não, e se foi realizado um tratamento por laser ou não, isso vai determinar um maior ou menor desconforto, e esse desconforto é que vai indicar a necessidade de maior ou menor repouso. Está duvidando? veja a seção “Depoimentos”

“Quem determina o repouso é o paciente!”

 

Pergunta #3: Onde é feita a cirurgia?

clinica

Resposta: hospital.

Esta questão também gera frequentemente um certo desconforto nas pessoas, pois “hospital” está relacionado no nosso inconsciente, a sofrimento, tristeza, situações desagradáveis…porém o ambiente hospitalar não necessariamente precisa nos remeter a situações que geram sensações desconfortáveis. Se você quer melhorar a qualidade de vida, a aparência estética ou evitar complicações futuras por causa das varizes, por que não pensar que o ambiente hospitalar é uma “ferramenta” para alcançar seus objetivos?

Por questões de segurança, a ANVISA, a agência que regula a saúde no nosso país, faz tantas exigências para que sejam feitos procedimentos mais complexos que a escleroteapia (secagem dos vasos), que fica praticamente inviável realizar cirurgias de varizes no consultório. E é bom que seja assim mesmo, pois é muito mais seguro.

Além disso, a permanência hospitalar é muito pequena. Meus pacientes habitualmente não ficam mais que algumas horas no hospital. Não me lembro há quanto tempo tive um paciente que ficou internado até o dia seguinte da cirurgia. Dormir no hospital? A não ser que alguém queira…

 

Pergunta #4: Qual a anestesia para cirurgia?

bons sonhos

Resposta: anestesia local!

Anestesia local? Isso é possível? Sim, perfeitamente possível.

Tenho feito a grande maioria das minhas cirurgias de varizes apenas com anestesia local e uma leve sedação, ou seja, a pessoa dorme, não vê e não se lembra de nada, e fazemos a anestesia apenas nas regiões onde serão manipuladas. A sedação é muito parecida com aquela feita para endoscopia. Você já foi submetido a uma endoscopia digestiva? Se foi, já sabe como é a sedação… Assim tornou-se viável fazer uma cirurgia sem a necessidade de anestesias nas costas (raquianestesia ou peridural), que muitas vezes afasta as pessoas do tratamento pelo receio do procedimento anestésico, nem a anestesia geral, que também amedronta muita gente.

Como é possível operar varizes com anestesia local?

Até bem pouco tempo atrás, isso realmente era raro. Técnicas modernas de diluição do anestésico em volumes consideráveis de soro fisiológico e uma adequada distribuição do anestésico nas camadas mais superficiais da pele tornaram o processo excelente, no meu ponto de vista. Agradeço aos cirurgiões plásticos por terem desenvolvido essa técnica. Hoje, até em cirurgias envolvendo a retirada da safena ou tratamento com laser ou radiofrequência utilizo esta anestesia. Qual a vantagem disso? Primeiro, o paciente recebe alta muito precocemente, ou seja, após cerca de duas horas depois do término da cirurgia. Segundo, são inexistentes complicações das anestesias nas costas, como a temida cefaléia pós-raqui (uma dor de cabeça intensa depois da cirurgia, desencadeada pela raqui), retenção urinária (uma dificuldade de urinar que precisa muitas vezes ser tratada com sondagem da bexiga) e aquela sensação desagradável de não sentir as pernas até que passe o efeito da anestesia.

Mais uma vantagem, com anestesia local os hematomas são muito menores no pós-operatório.

Vantagens da anestesia local e sedação para cirurgia de varizes

  • Não é preciso anestesia nas costas (raqui ou peridural)
  • Não existe a cefaléia pós-raqui
  • Não existe retenção urinária
  • Atla precoce – em geral duas horas após a cirurgia
  • Não existe a sensação de não sentir as pernas como na raqui ou peridural)
  • Menos e menores hematomas no pós-operatório

Obviamente existem casos que precisam de uma anestesia de maior porte, mas como mencionei anteriormente, a maioria dos meus pacientes trato apenas com anestesia local e uma sedação (não se preocupe, você vai dormir e ao acordar já acabou tudo!).

 

Pergunta #5: Como é o pós-operatório da cirurgia de varizes?

pos operatorio tranquilo

Resposta: muito tranquilo! Praticamente sem parar sua rotina.

Isso mesmo, praticamente sem parar sua rotina! Meu objetivo ao fazer um tratamento qualquer, é NÃO atrapalhar a vida dos meus pacientes. Com todos estes pormenores técnicos que eu mencionei nos tópicos anteriores, consigo atingir plenamente meus objetivos e meus pacientes voltam ao trabalho, escola e lazer em muito pouco tempo. Claro que quanto maior a cirurgia, ou seja, quanto mais veias e quanto maiores elas são, maior a manipulação e talvez um pouco mais desconfortável, mas em geral, a grande maioria em dois, três, ou no máximo em sete dias, já está voltando praticamente a fazer tudo. Seu chefe ou seu professor não vão precisar ficar de cara feia.

“Atividades físicas? Após sete a dez dias, em geral estão liberadas.”

Porém, vá com calma, se não estiver se sentindo confortável, não exite em progredir para a vida normal um pouco mais devagar.

Quanto à dor, não é infrequente as pessoas voltarem ao consultório na semana seguinte para fazerem o acompanhamento pós-operatório, sem terem tomado sequer um analgésico. Lógico que isso é variável e depende da sensibilidade e do limiar de dor de cada um, mas, para a maioria das pessoas, o pós-operatório realmente é muito tranquilo!

Está gostando deste artigo?

Cadastre-se e seja informado de novos artigos memoráveis como este.

privacy Nunca enviamos spam!

Pergunta #6: É preciso usar meias elásticas após cirurgia de varizes?

meias kendall

Resposta: Obrigatório apenas para ablação térmica das safenas, para os outros casos é apenas recomendável…

Muita gente tem calafrios só em pensar no uso das meias elásticas, sobretudo no pós-operatório. E já ouvi muitos comentários tipo “…tem que usar meias elásticas…” depois de uma cirurgia de varizes. O uso destes acessórios são recomendáveis para todos os pacientes, pois aliviam o desconforto e dão mais segurança às pessoas, consequentemente ajudam na recuperação. Mas se você não quiser usar, tudo bem, não vai perder o tratamento por isso. Obrigatório mesmo, só após a termo ablação, pois com a técnica do laser e da radiofrequência, como mencionei acima, a safena não é retirada, apenas cauterizada, e a meia vai ajudar a manter a safena obstruída. Portanto o resultado da cirurgia depende do uso da meia. Habitualmente o período indicado é de 45 a 60 dias, tirando-se as meias para dormir.

 

Pergunta #7: Qual a melhor época para a cirurgia de varizes?

agora1

Resposta: O ano inteiro. A época melhor é agora…o mais cedo possível.

Você acredita que a lua cheia é a melhor época para cortar os cabelos? Pode ser que sim, mas desconheço alguma comprovação científica para sustentar isso.

Da mesma forma, ser operado das varizes, no inverno ou verão (ou mesmo no outono, primavera ou alguma fase da lua – a não ser para lobisomens!) não faz diferença. A questão em pauta é que aqueles que forem submetidos a cirurgia de varizes, invariavelmente ficarão com alguns hematomas e manchas nas pernas e enquanto não sumirem essas manchas, recomenda-se fortemente não tomar sol para não haver hiperpigmentação e não manchar definitivamente a pele. Por quanto tempo sem sol? Pessoas com pele mais clara geralmente se recuperam mais rapidamente das manchas, ao contrário do que a maioria pensa. Além disso, cirurgias mais extensas demandam um tempo maior para a recuperação. Mais uma vez: quanto mais cedo for feito o tratamento, melhor (quantas vezes você já leu essa afirmação neste artigo?). Habitualmente recomendo três meses sem tomar sol, podendo variar para mais ou para menos, dependendo da pessoa e da extensão do procedimento.

Para as pessoas que foram submetidas a ablação térmica das safenas, precisarão usar meias elásticas, o que pode ser menos confortável no verão.

“Se você quer as pernas em ordem para a próxima estação, seu tratamento deve ser agora…”

 

Pergunta #8: As varizes podem voltar?

não

Resposta: Não! Podem surgir outras veias, mas voltar as que foram retiradas, jamais!

 Frequentemente ouço de muitos pacientes que não procuram o tratamento porque eles acreditam que as “varizes voltam”.

Após a remoção de varizes por cirurgia, veias que são retiradas não voltam mais. Porém o processo como as veias aparecem não pára e podem aparecer outras veias no decorrer da vida. Caso a pessoa não seja submetida ao tratamento, no futuro ela terá as varizes de hoje e as de amanhã, e as varizes se não retiradas, ficam cada vez maiores e podem causar complicações futuras, além de serem esteticamente bem desagradáveis…não é?

Assim, quanto mais cedo as varizes forem removidas, melhor o resultado estético e menores as complicações futuras. Mesmo que seja necessária uma nova intervenção tempos depois, essa segunda cirurgia geralmente é menor. Melhor fazer um maior número intervenções pequenas que uma intervenção grande!

Quanto aos vasinhos, estes sim podem voltar na mesma localização, porém se não tratados, também podem aumentar, causar sangramentos e outros problemas com o passar dos anos, além do fator estético. O ideal é fazer uma “manutenção” anualmente.

Com este artigo tentei responder à perguntas daqueles pacientes para quem indiquei cirurgia. Caso você tenha uma dúvida que não foi respondida, por favor entre em contato, faça suas perguntas e dê sugestões.

Forte abraço!