Cirurgia para varizes ou Laser ou radiofrequência?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

A cirurgia tradicional para tratamento da insuficiência da safena consiste na remoção da veia, promovendo traumatismo de estruturas vizinhas às veias e determinando dor e hematomas no pós-operatório. Leia mais em Cirurgia Tradicional

Para diminuir o trauma cirúrgico, foram desenvolvidas no final dos anos 90, duas modalidades de tratamento onde não se removem as veias safenas, mas é feita uma cauterização destas veias, o que diminui a agressão cirúrgica e consequentemente reduz a dor no pós-operatório e o tempo de recuperação. O tratamento das safenas com laser ou radiofrequência é chamado de ablação térmica e é considerado um tratamento minimamente invasivo, sendo hoje recomendado como primeira opção de tratamento por renomadas sociedades médicas dos Estados Unidos (American Venous Forum) e Reino Unido (National Institute for Health and Care Excellence).

Como vantagem em relação ao método convencional, a termoablação com laser ou radiofrequência, é muito menos dolorosa e possibilitam um pós-operatório mais confortável que a cirurgia convencional.

A técnica
Através de uma punção na pele (não são necessarios cortes e pontos como no método tradicional) é introduzida uma fibra óptica ou o cateter de radiofrequência diretamente na veia. É então liberada energia no interior desta veia para ocluí-la completamente.
Esse método permite a possibilidade de tratamento com anestesia local e leve sedação em muitos casos, sem necessidade de internação ou anestesias mais complexas como a raqui, peridural ou geral. Pode ser combinada com a miniflebectomia ou flebectomia (microcirurgia) para o tratamento de veias menores ou em conjunto com a escleroterapia (convencional ou espuma).

O pós-operatório
O paciente retorna à sua rotina diária normal em poucos dias, devendo utilizar meias elásticas para auxiliar na obliteração da veia tratada.

Segurança
É considerado um tratamento seguro e eficaz para as varizes dos membros inferiores. É aprovado pelo FDA (Food and Drug Administration – Estados Unidos) e pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Brasil). Seus resultados são comparáveis com o método convencional, porém com menos dor e menor tempo de recuperação.

Em uma pequena quantidade de casos, pode ocorrer a recanalização do segmento da veia tratado, que pode ser reabordado, em geral com anestesia local, ou complementado o tratamento através de escleroterapia com espuma.A diferença do laser e da radiofrequência consiste no tipo de energia utilizada, onde o laser é uma luz e a radiofrequência gera calor por corrente elétrica em um cateter específico, porém o princípio é o mesmo, ou seja geração de calor dentro da veia e obliteração da safena.

O laser e radiofrequência são métodos modernos e eficazes de tratamento, desde que sejam bem indicados e bem executados. Porém não substituem todas as outras modalidades de tratamento existentes e muitas vezes devem ser usados vários tipos de tratamentos conjuntamente para que sejam obtidos os melhores resultados.