11 perguntas sobre varizes e seus tratamentos

Tempo de leitura: 11 minutos

Opções tratamento varizes

O que são varizes?

Varizes são dilatações das veias e ocorrem fundamentalmente nos membros inferiores, ou seja, pernas e coxas. Embora o termo “varizes” possa ser utilizado para designar dilatações venosas em veias de outras partes do corpo, o senso comum geralmente faz lembrar das veias comprometidas nas pernas.

As varizes compreendem um amplo espectro de veias, desde os “vasinhos” (tecnicamente chamados de telangectasias), frequentes nas mulheres e motivo de descontentamento estético, até grandes veias saltadas, com diâmetros que podem chegar a um centímetro e meio, ou mais, que podem estar associadas a feridas (as chamadas úlceras varicosas).

Obviamente, os processos terapêuticos para diferentes tipos de varizes, são diferentes, e em geral, quanto maior o tamanho da veia, maior a complexidade do tratamento. Aí vai a primeira dica do artigo: quanto mais cedo se fizer o tratamento, menos agressivo, provavelmente, ele será!

Quais as causas das varizes?

As varizes estão fundamentalmente relacionadas a dois fatores principais: genética e envelhecimento.

O código genético, ou se preferirem hereditariedade, é o que determina as características de cada indivíduo, como cor dos olhos, tipo de cabelo, etc., e não poderia ser diferente com relação à formação da estrutura das veias. Assim, está diretamente ligado ao aparecimento das varizes.

Com relação ao envelhecimento, da mesma forma que outras partes do nosso organismo vão sofrendo enfraquecimento e desgaste natural, as veias também sofrem, e a flacidez destas veias pode levar à sua dilatação e formação das varizes.

As varizes decorrentes de hereditariedade e envelhecimento são chamadas varizes essenciais ou primárias.

Não existe regra para idade de aparecimento ou quantidade de varizes em determinada pessoa. Embora surjam caracteristicamente em indivíduos com antecedentes familiares, principalmente pai ou mãe, podem aparecer também em pessoas sem familiares próximos com o problema. Isso ocorre porque a atuação de determinados gens pode ser maior ou menor em determinados indivíduos. Quanto à idade, é mais comum começar após os 25-30 anos, mas também não é raridade sua presença até mesmo na adolescência.

Fatores ambientais também influenciam o aparecimento das varizes, embora em menor intensidade que a genética e envelhecimento. Assim, vida sedentária, gravidez, anticoncepcionais, obesidade, atividades profissionais que exigem permanecer em pé por longos períodos de tempo, também contribuem para aumentar as varizes.
Menos frequentemente, as varizes podem ser consequência de tromboses nas veias profundas dos membros inferiores ou decorrentes de compressões venosas no abdome ou pelve, geradas por exemplo, por tumores. São as chamadas varizes secundárias.

Leia mais sobre as causas das varizes

Uso de anticoncepcionais e reposição hormonal podem causar varizes? Devo parar?

Alguns contraceptivos e algumas formas de reposição hormonal podem provocar o relaxamento das veias e contribuir para a formação das varizes, assim como a gravidez. Portanto, sim, algumas pílulas e algumas formas de reposição hormonal estão relacionadas ao aparecimento de varizes. Entretanto, as mulheres com medo de desenvolverem, ou agravarem as varizes já existentes, não devem simplesmente abandonar o anticoncepcional ou reposição hormonal sem orientação médica, pois todos os casos devem ser individualizados e muitas vezes esses tratamentos são importantes para a saúde da mulher.

A decisão em continuar ou interromper tais medicamentos deve ser baseada na relação de risco e benefício e tomada em conjunto com seu médico. Além disso, a pílula anticoncepcional e a reposição hormonal contribuem, mas não são os principais fatores para o desenvolvimento das varizes. Mais importante que a pílula é a genética e a fragilidade das veias que ocorrem com a idade.

Leia mais sobre pílulas / reposição hormonal e varizes

Quais os sintomas das varizes?

A sintomatologia das varizes é bem variada. Muitas pessoas portadoras de grandes varizes não têm sintomas. No outro extremo estão as pessoas que, apesar de terem pequenas veias dilatadas, podem sentir um intenso desconforto nas pernas.

Apesar destes extremos, tipicamente os pacientes com varizes queixam-se de peso ou cansaço nas pernas, sobretudo nas panturrilhas, e que aparecem ou se agravam no fim do dia. Acompanhando esses sintomas, pode estar associado inchaço, principalmente no tornozelo. A melhora tanto da dor quanto do inchaço ocorrem com o repouso e elevação das pernas, e também quando a pessoa se movimenta. O contrário, ou seja, piora da dor, peso e inchaço, ocorrem quando se permanece muito tempo em pé, ou sentado, principalmente se parado na mesma posição.

Já pessoas com pequenas telangectasias (os famosos “vasinhos”), geralmente não têm sintomas, ou quando estes estão presentes, geralmente são coceira no local ou discreta ardência. Geralmente os vasinhos incomodam mais pela estética.

Os sintomas das varizes são virtualmente inexistentes ao despertar, pela manhã. Se alguém apresenta dores nas pernas quando está deitado ou ao acordar, provavelmente a causa da dor é outra.

Leia mais sobre os sintomas das varizes

Qual a relação entre dores nas pernas e varizes?

Várias doenças manifestam-se por gerarem dores nas pernas, como por exemplo problemas ortopédicos, problemas na coluna, vícios de postura, fibromialgia, artroses e etc.

Dores nas pernas também são frequentes em várias situações não relacionadas a doenças como ansiedade, estresse, falta de atividades físicas e o cansaço do dia a dia. As varizes são apenas uma entre as inúmeras causas de dores nas pernas. O que diferencia as varizes de outros problemas é característica da dor. A dor relacionada às varizes é marcada por peso e cansaço que se acentua no final da tade ou à noite, podendo estar associada ao inchaço. Elevar as pernas e caminhar geralmente aliviam a dor e o peso. Acordar com dores nas pernas provavelmente não é por causa de varizes…

Leia mais sobre dores nas pernas e varizes

Uso de salto alto, subir escadas e calças apertadas podem provocar varizes?

A mente humana é formidável, inclusive para criar mitos que são transmitidos de uma pessoa para a outra.

Como já foi assinalado acima, as principais causas de varizes são de ordem genética e relacionadas ao envelhecimento.

Não existe comprovação científica de que salto alto ou roupas justas provoquem varizes ou vasos nas pernas. Entretanto, o uso de saltos muito altos não devem ser encorajados, principalmente os saltos finos, pois eles alteram bastante a distribuição do peso do corpo sobre os pés e pernas, além de gerarem instabilidade o que pode causar dores nas pernas que muitas vezes são confundidas com varizes. O ideal é que sejam usados calçados não muito altos e de preferência inteiriços.

Quanto subir escadas, ao contrário do que se pensa, pode ajudar na circulação venosa. Portanto, não provocam varizes.

Portanto, nenhuma das condições pode provocar o aparecimento de varizes.

Leia mais

Varizes só afetam as mulheres?

As varizes das pernas acometem pessoas de ambos os sexos, porém com uma leve predominância para o lado feminino. Os hormônios, gravidez e uso de pílulas anticoncepcionais podem explicar essa diferença.
Embora a prevalência seja apenas um pouco maior nas mulheres, disparadamente as mulheres são quem mais procuram por tratamento. As razões para isso relacionam-se, entre outras coisas, ao fator estético. Mesmo vasinhos pequenos chamam mais atenção nas mulheres que nos homens, pois os pêlos nas pernas masculinas disfarçam bastante a presença das varizes e dos vasos. Além disso, as mulheres, de maneira geral, são mais cuidadosas com a saúde.
Não importa o sexo, a busca por uma avaliação deve ser feita em todas as pessoas com varizes, não só para melhora estética mas como um cuidado com a saúde.

Leia mais

Existe risco na cirurgia de varizes?

Atualmente a cirurgia de varizes é um procedimento muito seguro com baixíssimos índices de complicações, entretanto, todo procedimento médico envolve um risco, tanto pela anestesia como pela própria cirurgia.

Todo paciente candidato a uma cirurgia, independente da extensão do procedimento, durante a consulta ao médico responsável, é submetido a uma cuidadosa avaliação e eventualmente a exames complementares.

Feito o preparo adequado, minimizam-se os riscos e o procedimento é feito de forma segura.

Hoje em dia, a evolução da técnica operatória, materiais, medicamentos e evoluções na anestesia fazem da cirurgia de varizes um procedimento extremamente confiável.

Leia mais

Resultados da cirurgia?

Quando bem indicada, bem praticada e quando o paciente segue as orientações pós-operatórias, a cirurgia de varizes costuma gerar resultados excelentes e recompensantes.

Entretanto, o resultado estético depende de fatores tais como a quantidade de veias a serem retiradas, tempo de evolução das varizes, calibre das veias, complicações já instaladas (como úlceras cicatrizadas ou não), tipo de pele e cicatrização do paciente, cooperação do paciente na recuperação pós-operatória, técnica empregada pelo médico, entre outras coisas.

É importante lembrar que mesmo a melhor cirurgia tem suas limitações e não existem “fábricas de modelos”, ou seja, pernas que apresentam manchas ou cicartrizes de feridas, por exemplo, dificilmente voltam ao estado anterior a essa condição.

O ideal é procurar o tratamento o mais rápido possível, pois quanto mais cedo, melhores os resultados.

Leia mais

As varizes podem voltar?

Frequentemente ouço de pacientes que muitos não procuram o tratamento porque eles acreditam que as “varizes voltam”.

Após a remoção de varizes por cirurgia, veias que são retiradas não voltam mais. Porém o processo como as veias aparecem não para e podem aparecerem outras veias no decorrer da vida. Caso a pessoa não seja submetida ao tratamento, no futuro ela terá as varizes de hoje e as de amanhã, e as varizes se não retiradas, ficam cada vez maiores e podem causar complicações futuras.

Assim, quanto mais cedo forem removidas, melhor o resultado estético e menores as complicações. Mesmo que seja necessária uma nova intervenção tempos depois, essa segunda cirurgia geralmente é menor. Melhor fazer algumas intervenções pequenas que uma grande!

Quanto aos vasinhos, estes sim podem voltar na mesma localização, porém se não tratados, também podem aumentar, causar sangramentos e outros problemas com o passar dos anos, além do fator estético. O ideal é fazer uma “manutenção” anualmente.

Leia mais

Existem tratamentos “alternativos” para varizes?

É comum aparecerem métodos milagrosos que prometem tratamentos para varizes através de cremes, pomadas, medicamentos naturais, etc, etc, etc.

Após o aparecimento das varizes, a única forma de eliminá-las é através de intervenções médicas, seja cirurgia, escleroterapia (secagem), laser, etc.

Não existem cremes ou pomadas eficazes, muito menos medicamentos milagrosos que fazer as varizes desaparecerem. Remédios “naturais” não existem e seu uso deve ser combatido.

Antes de procurar tratamentos “alternativos”, certifique-se de que haja autorização para tais tratamentos ou registros dos medicamentos ou pomadas na ANVISA, órgão que regula o uso de materiais e medicamentos no Brasil. Consulte um especialista a respeito.

Leia mais

Como é a secagem de varizes e vasos? provoca dor?

Secagem de vasos, tecnicamente chamada de escleroterapia, consiste no tratamento de varizes pela infusão de medicamentos diretamente na veia. Existem vários tipos de substâncias que podem ser utilizadas. Quando bem indicada e bem executada, produz resultados muito satisfatórios. O procedimento é realizado através do posicionamento de uma agulha bem fina dentro do vasinho (telengectasia) e aí introduzido um medicamento que promove uma reação no organismo e oclui o vaso.

Geralmente está indicada para veias de pequeno calibre, menores que 2 ou 3mm de diâmetro. Acima deste tamanho, o melhor em geral é extrair a veia.

A escleroterapia particada com resfriamento da pele melhora muito a tolerância e a aderência ao tratamento, promovendo um tratamento praticamente sem dor. Além disso, o agente esclerosante é associado a um anestésico que elimina a sensação desagradável no local. Raramente os pacientes deixam de fazer o tratamento pela dor provocada pela escleroterapia, porém diferentes pessoas têm diferentes sensibilidades.

Leia Mais…